Sobre amar a si mesmo

16:20

Com tantas pessoas lindas, tanto interna como externamente, me amar era um desperdício de tempo. "Logo eu? Faça-me o favor" era minha resposta toda vez que pensava nisso. Não tinha motivos para amor-próprio, mas simplesmente porque eu não os procurava. A verdade é que eles estavam sempre ali, literalmente na minha cara, mas sabe aquilo de selecionar somente o que queremos? Pois bem, essa era minha atitude.

Durante grande parte da minha vida, reservei todo o meu encanto para as outras pessoas. Aquela atriz maravilhosa de uma série de TV, um cantor famoso e entre outros. Ser uma espectadora de minha própria vida parecia adequado. Não tinha me causado problema nenhum, até o dia que eu desmoronei. "Ei, o que eu tenho feito durante todo esse tempo?" foi minha reação ao perceber que uma coisa faltava: me amar. E isso me levava a milhões de outros problemas, que eu nem sabia que eram problemas de fato até ver as consequências.

Sem admiração por si mesma, a autoconfiança também some. Elas são interdependentes, sabe? Eu não sabia. Acreditar nos meus projetos e sonhos não era algo regular. "Pff, até parece que você vai conseguir" era uma ideologia impregnada na minha cabeça. Como um vírus, ela foi se espalhando sem que eu tivesse consciência. Até que um dia eu tive. Cortei o cabelo e limpei o guarda-roupa. Gastei minhas economias numa viagem para Europa.

"Se eu não me amar, ninguém vai" começou a ser meu novo mantra. Não tem problema ter mais de uma selfie no Instagram. Posso muito bem sair com aquele batom vinho maravilhoso. Uma bota over the knee não é só para pessoas com mais de 1,70m. E quem disse que eu não posso ter um top de renda? Todas essas foram ideias que passei a acreditar e disseminar.

Hoje, sou muito feliz com quem sou e meus projetos e planos estão sendo concretizados todos os dias. Tudo que faltava era amor-próprio. Agora eu tenho, e de uma coisa tenho certeza: não vou me desprender mais dele.

Talvez você se interesse por

0 comentários