Filme: Juno

17:35

 


SINOPSE*:Juno MacGuff (Ellen Page) é uma jovem de 16 anos que acidentalmente engravidou de Paulie Bleeker (Michael Cera), um grande amigo com quem transou apenas uma vez. Inicialmente ela decide fazer um aborto, mas ao chegar na clínica muda de idéia. Junto com sua amiga Leah (Olivia Thirlby) ela passa a procurar em jornais um casal a quem possa entregar o bebê assim que ele nascer, já que não se considera em condições de criá-lo. É assim que conhece Vanessa (Jennifer Garner) e Mark (Jason Bateman), um casal com boas condições financeiras que está disposto a bancar todas as despesas médicas de Juno, além de dar-lhe uma compensação financeira caso ela queira. Juno recusa o dinheiro para si, mas decide que Vanessa e Mark ficarão com seu filho.

Há muito tempo atrás, quando eu tinha uns nove anos, ouvia falar sobre esse filme e pensava que era algo muito pesado. E vamos combinar, pra uma garota de nove anos um filme sobre gravidez na adolescência era certamente muito polêmico.

Os anos se passaram e eu esqueci da existência desse filme. Ele é de 2007, ou seja, ninguém mais fala dele. Já é considerado antigo. Então hoje, estava eu em um dilema (constante) entre ver filme ou ver série. Lembrei de Juno e decidi. Era esse o escolhido.

Cliquei no play e logo me deparei com uma jovem Ellen Page, com estilo meio punk, tomando refrigerante (ou suco, não sei) em um galão. Não tive tempo de pensar muito: logo começou uma das aberturas de filme mais fofa (não, eu não achei outro adjetivo) que já vi.


(Juno: Você ainda vai me achar bonita quando eu estiver enorme?
Paulie: Eu sempre acho você bonita. Eu acho você linda)

Eu fui me apegando e me apaixonando pela personagem aos poucos. Nunca fui muito fã dessas que tem a vida perfeita, beleza convencional, vocabulário formal, são impecáveis... é, deu pra entender. A Juno, além de ter um nome incrível, é uma adolescente "punk" (as aspas são devido ao fato que ela não é como a maioria das pessoas tem a imagem de punk). Um vocabulário sujo e informal, roupas largas e blusas de bandas, fã de rock e muito original, assim como seu nome.




O meu critério de classificação pra considerar um escritor/roteirista bom é a originalidade de seus personagens. Gosto de ver os criadores quebrando padrões. Acho que é por isso que gosto tanto de livros e filmes, lá dentro ninguém aparenta ser feito por uma máquina, como no mundo aqui fora. Mas esse tópico, deixarei pra outro post...

"Juno" também fala bastante de amor. Em meio toda a essa confusão e problemas da adolescência, o filme passa uma mensagem fantástica sobre amores, desilusões, separações. Pra mostrar melhor isso, selecionei duas citações (quotes).

"Gostaria de saber se é possível duas pessoas viverem felizes juntas para sempre"



"Olha, na minha opinião, a melhor coisa que você pode fazer é encontrar uma pessoa que te ama exatamente como você é. Bom humor, mau humor, feio, bonito, o que você tem, a pessoa certa ainda vai pensar que o sol brilha na sua bunda. Esse é o tipo de pessoa com quem vale a pena ficar."



Outra coisa que me encantou no filme foi a trilha sonora. O folk, pra mim, é um dos melhores gêneros musicais e combinou certinho com o filme. O toque romântico proporcionado por esse estilo de música foi uma das coisas que me fez adicionar esse filme à minha lista de favoritos.

Deixo vocês com a melhor música do filme...


*A sinopse foi feita pelo site Adoro Cinema. Para saber mais sobre o filme, clique aqui.



Talvez você se interesse por

0 comentários